POSTS RECENTES

  • Prêmio Literário
    Jabuti

    30 de abril de 2019

  • Linha 3 Vermelha
    O Livro

    30 de abril de 2019

  • Mulheres Incríveis e Revolucionárias 
    Autora Vivianne Fair

    15 de abril de 2019

  • Mulheres Incríveis e Revolucionárias 

    Autora Camila Piva

    02 de abril de 2019

  • Mulheres Incríveis e Revolucionárias
    Autora Natalia Melo

    15 de março de 2019

  • ...

  • História de Sucesso na Hardcover

    28 de novembro de 2018

  • Feira Literária de Niterói 2018

    27 de novembro de 2018

SOBRE A VIVENDO DE INVENTAR:

A MELHOR COMUNIDADE DE ESCRITORES!

INSCREVA-SE ABAIXO!

NEWSLETTER VIVENDO DE INVENTAR:

CATEGORIAS

  • Matérias Vivendo de Inventar.

  • Contos

Família Hardcover

Hardcover, Parceria, Escritores, Conquistas

05 de junho de 2019

Vamos conhecer cada vez mais a família Hardcover


Hoje publicaremos sobre o A. T. Sergio
 

"Comecei a escrever prosa com seriedade em agosto do ano passado. Antes, focava quase exclusivamente em poesia, com um site na internet e uma antologia poética independente publicada na Amazon.

 

Com a entrada para a ABERST, comecei a focar em textos para antologias de terror e suspense, além de cursos e mecanismos que aprimorassem minha técnica na escrita. Foi dessa forma que acabei conhecendo a Vivendo de Inventar, em um bate-papo nos grupos da Associação, me tornando hardcover logo no primeiro webinário que assisti do André.

 

Passei a estudar a técnica do storytelling através do material disponível aos assinantes e treinar com escritas de contos curtos para antologias. Isso me levou a 14 aprovações sucessivas em suspense, policial e terror, sempre com histórias de 8.000 a 12.000 caracteres. Não fui reprovado em nenhuma seleção das quais participei.

 

Em paralelo a esse universo de antologias, passei a escrever meu primeiro livro solo, um terror/suspense voltado ao público jovem adulto, publicado nas plataformas online Wattpad e Sweek, capítulo a capítulo, sempre às quartas-feiras. O retorno vem sendo ótimo, com comentários e seguidores aumentando a cada semana. Cheguei mesmo a ter o segundo lugar em young adult no Wattpad e hoje sou finalista do concurso SweekStars 2018, na categoria “livro”.

 

Uma das coisa mais interessantes em relação ao meu primeiro livro solo é que ele tem como leitora crítica a Cláudia Lemes e é base da minha mentoria com o André Vianco. As dicas dos dois têm sido fundamentais para deixar a história nos trilhos, mantendo cativas as mentes dos meus leitores. Uso técnicas com ticking clock, ganchos em todos os capítulos, narrativa em primeira pessoa, mantendo o leitor sabendo apenas o que os personagens sabem, protagonista com falha de caráter, aprimorando o sentido de empatia do leitor com essa criação, além de outras, muito bem abordadas tanto pelo André quanto pela Cláudia.

 

Hoje sou Conselheiro da ABERST, estou organizando três antologias por três editoras diferentes, tenho um conto independente publicado na Amazon (“Sob seus pés”) que chegou a ser primeiro lugar em downloads no último final de semana, um site profissional, uma mailing list de mais de 350 endereços (live da Alessandra Ruiz trazendo resultado) com uma newsletter semanal, contrato assinado com uma editora para publicação do meu romance e participação em muitos eventos literários como Tarde Literária Illuminare (RJ), Choque Literário (SP), Porto Alegre Noir, além de convites para HorrorExpo e tardes de autógrafo de antologias na Bienal Internacional do Livro no Rio de Janeiro.

 

Eu posso dizer, de forma direta e clara, que minha carreira de escritor está dividida em antes e depois da ABERST/Vivendo de Inventar. Passei de um poeta desconhecido que de vez em quando escrevia um conto ou outro, para um escritor de verdade, com uma fanpage de mais de 11K de seguidores no Facebook e 1,2K no Instagram, além de visitas mensais no site oficial superando a casa dos 3K.

 

Agradeço demais à ABERST e à Vivendo de Inventar por ser hoje o escritor que sou e por me auxiliar dia após dia na evolução das técnicas de escrita e na aproximação com colegas de profissão e profissionais do mercado literário.

 

E se quiserem publicar qualquer coisa do que escrevi acima, estejam à vontade. Ficarei muito orgulhoso de poder falar ao mundo o que vocês representaram, representam e irão representar na minha carreira de escritor.

 

Forte abraço!"

 

A. T. Sergio

www.atsergio.nom.br

 


 

Compartilhe esse post:

Prêmio Literário

Concurso, Literatura, Prêmio, Parceria, Concurso Literário .

17 de maio de 2019

O MAIOR PRÊMIO DO LIVRO BRASILEIRO 


História

 

A história do Prêmio Jabuti começa por volta de 1958, em um período repleto de desafios para o mercado editorial, com recursos escassos e baixa articulação do segmento. Apesar das adversidades, não faltava entusiasmo aos dirigentes da Câmara Brasileira do Livro. As discussões foram comandadas pelo então presidente da entidade, Edgar Cavalheiro, e pelo secretário Mário da Silva Brito – intelectuais e estudiosos da literatura brasileira – além de outros membros da diretoria do biênio 1955-1957 interessados em premiar autores, editores, ilustradores, gráficos e livreiros que mais se destacassem a cada ano.

Essas discussões em torno de uma “láurea” ou “galardão”, como se dizia na época, ganharam forma na diretoria seguinte, de 1957-1959, presidida por Diaulas Riedel, a quem coube a confirmação da escolha da figura do jabuti para nomear o prêmio e a realização de concurso para a confecção da estatueta, vencido pelo escultor Bernardo Cid de Souza Pinto. A primeira premiação ocorreu também na gestão do presidente Diaulas Riedel. No final do ano de 1959, em solenidade simples e despretensiosa realizada no auditório da antiga sede da CBL, na Avenida Ipiranga, foi feita a entrega do 1º Prêmio Jabuti. Foram laureados autores como Jorge Amado, na categoria Romance, pela obra “Gabriela, Cravo e Canela”. A Saraiva ganhou o prêmio de Editora do Ano.

O maior diferencial em relação a outros prêmios é a sua abrangência: além de valorizar escritores, o prêmio destaca a qualidade do trabalho de todas as áreas envolvidas na criação e produção de um livro. Anualmente, editoras dos mais diversos segmentos e escritores independentes de todo o Brasil inscrevem suas obras em busca da tão cobiçada estatueta e do reconhecimento que ela proporciona. Receber o Jabuti é um desejo acalentado por todos aqueles que têm o livro como seu ideal de vida.

 

 

 

O novo Prêmio Jabuti
 

Em 2018, o Jabuti completou 60 anos e foi completamente repaginado, com objetivo de se aproximar mais do leitor, e de se tornar mais competitivo no entre autores e editores, fortalecendo ainda mais seu posto como o mais almejado prêmio literário do País. Para manter esse papel de destaque, mais uma vez a inovação se fez presente, com a adoção de medidas para acolher os autores independentes, aprimorar a gestão da estrutura do prêmio e aperfeiçoar os critérios de análise das obras concorrentes.

As categorias do Prêmio Jabuti foram reorganizadas em quatro eixos: Literatura, Ensaios, Inovação e Livro. A mudança serviu para racionalizar e qualificar as áreas do conhecimento, para que o Prêmio seja ainda mais abrangente. Outra mudança realizada no mesmo ano, para prestigiar ainda mais os primeiros colocados de cada categoria, o Jabuti passou a ter somente um vencedor por categoria.

Entre essas, inclui-se a revelação dos ganhadores de cada categoria e do Livro do Ano apenas na cerimônia de premiação e o lançamento da categoria Formação de Novos Leitores, para reconhecer iniciativas de estímulo à leitura.

De todas as transformações e melhorias realizadas ao longo de sua existência, o legado evidente do Jabuti é sua capacidade de atualização e transparência, características marcantes de seu regulamento e reconhecidas por todos que produzem informação, conhecimento e arte no Brasil.

 

Premiação

A partir da compatibilização das listas dos livros selecionados por jurado(a), a obra que receber maior pontuação será considerada vencedora do 61º Prêmio Jabuti em sua categoria. Em caso de empate consulte o item VIII do regulamento.

Os vencedores serão anunciados apenas na cerimônia do 61º Prêmio Jabuti, cuja data de realização será antecipadamente divulgada pela CBL.

A premiação contempla apenas o primeiro colocado de cada categoria, escolhido entre os cinco livros finalistas. A obra vencedora em primeiro lugar ganhará um troféu Jabuti para o autor e um para a editora. Além do troféu, o autor receberá um prêmio no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), deduzidos os encargos legais.

O Livro do Ano será atribuído a uma única obra, seja de Ficção ou Não Ficção. O autor receberá um troféu Jabuti especial e o valor bruto de R$ 100.000,00 (cem mil reais). A editora da obra receberá uma estatueta especial.

Concorrem ao Livro do Ano apenas os vencedores das categorias que compõem os eixos Literatura e Ensaios: Conto, Crônica, Histórias em Quadrinhos, Infantil, Juvenil, Poesia, Romance, Artes, Biografia, Documentário e Reportagem; Ciências, Economia Criativa e Humanidades. 

 Em todas as premiações, no caso de obras em coautoria, cada autor receberá um troféu e o prêmio em dinheiro será dividido.



Para maiores informações
https://www.premiojabuti.com.br/
 

Compartilhe esse post:

Linha 3 Vermelha - O Livro

Linha vermelha, parceria, Hardcover, Editora

30 de abril de 2019

O projeto
por Felipe Mendes

 

Olá amigos, Linha 3 Vermelha é a nova "loucura" da minha vida, porque é assim que os livros lançados são chamados por muitos, mas tenho certeza que é com loucura que a vida fica menos chata.

E sabendo que vocês são tão loucos quanto eu tenho certeza que vão me apoiar mantendo cada vez mais viva a chama da Literatura Nacional.

O Objetivo desta campanha é publicar de forma independente o livro, porque diferente do que muitos pensam as "grandes" editoras não tem interesse em apoiar novos projetos nacionais, então funciona da seguinte maneira, ou você vai fazendo e ganhando leitores por si só ou deixa os projetos de lado e engaveta eles.

A segunda opção pra mim nunca foi uma possibilidade, e se você é AUTOR também não deixe que seja pra você.

Todos os exemplares físicos seguirão autografados, e eu estarei à disposição para tirar dúvidas!

Conto com vocês, Em nome da MÃE!!! Em nome de SETE!!!!

 

Linha 3 Vermelha é o terceiro livro do autor, continuação da trama sobre o grupo terrorista SETE, comandado pela MÃE, que explode 7 bombas em todas as saídas da estação Paulista/Consolação, deixando mais de 7 mil pessoas pressas e soterradas.

O grupo SETE fere diretamente os 3 poderes, o que causa uma ambiguidade no público, pois o que eles pedem são coisas que toda a população deseja, porém, seus métodos são extremamente peculiares.

Dentro da trama temos de um lado a população e pessoas “comuns”, de outro toda a intriga entre os políticos, principalmente entre Prefeito, Governador e Presidente e ainda a Agência Brasileira de Inteligência que tem um papel duplo, de defesa da segurança nacional sem expor os conluios por trás disso.

Em jogo além do funcionamento da maior metrópole da América Latina estão ainda o jogo político e a vida de milhares de pessoas. Exatamente nessa ordem.

Continuação de Linha 4 Amarela que foi sucesso de público e de crítica em 2018, tendo sido o thriller nacional mais vendido na Bienal de São Paulo e o evento de lançamento mais lotado na Livraria Cultura.

 



 

 

Mulheres incríveis e revolucionárias.

Mulheres, Escritoras, Hardcover, Conquistas

15 de abril de 2019

Autora Vivianne Fair

 

Vivianne Fair escreve histórias desde que aprendeu a escrever – literalmente. Profissionalmente escreve há cerca de 12 anos. Começou com quadrinhos aos 14 anos (ganhou diversos prêmios nacionais), mas percebeu que suas histórias evoluíam mais do que podia desenhar. 

Seu primeiro trabalho foi publicado por demanda, mas em seguida recebeu convite para publicar dos . Seu maior sucesso, a trilogia da Caçadora, a princípio saiu pela editora Livro Novo, tradicional, posteriormente pela editora Draco, também tradicional.

Logo em seguida, A Rainha Sombria, foi publicada e a partir dai não parou mais.Participou da Antologia Magos e na Editora Estronho emplacou outros dois contos. Também publicou independente um livro de colorir, um livro infan til editado pela editora FT D e outros três apenas modo digital. Recentemente venceu o Wattys 2017 na categoria Novos Autores no qual concorreram cerca de 280.000 trabalhos.  O Legado do Dragão ficou entre os vencedores no concurso Best Seller do André Vianco em dezembro de 2018. Possui um blog – o Recanto da Chefa com mais de 200 acessos por dia, um canal no youtube onde publica resenhas e vídeos engraçados sobre ser escritora, faz tirinhas da Caçadora e de outros livros, além de estar preparando um booktrailer para seus livros utilizando animação. 

Viviane Fair, é formada em artes plásticas pela UnB, ilustradora profissional e formada em cursos de animação Toonboon, Flash e cursos de youtuber. Participa assiduamente nas bienais do Rio e de São Paulo, usa cosplay de seus personagens com fantasias feitas por ela, causando uma movimentação grande por onde passa.

 

Foi convidada a participar de diversos programas sendo entrevistada, entre eles, Jurassic Cast com público presente, uma edição do Mochila Literária, também em Literatura por Mulheres, outras duas entrevistas na Semana Nacional do Livro Nacional, participação em rede nacional no programa Câmara Ligada sobre Jovens e Literatura, além de uma menção honrosa sobre seu progresso na literatura, que aconteceu na Câmara Legislativa.

 

" A Hardcover é uma grande parceira, me motiva a aprender cada vez mais. Depois que assinei, não só assisto as aulas como ainda vou atrás de livros e cursos sobre escrita para me aprofundar. Conheci dezenas de outros escritores que tinham muitas dicas legais, fiz diversos amigos e acabei percebendo que precisava me divulgar e participar mais. Acabei sendo uma das vencedoras do concurso Best seller do André Vianco e estou muito animada com meus outros projetos! Margareth Bruscarosco, a consultora de Narratologia da Hardcover, me apoiou muito quando apresentei meus problemas e dúvidas, com certeza me deu muito incentivo."

 

Autora do livro A caçadora e Cavaleiros do RPG / Quem precisa de heróis?

Acesse o site e leia tirinhas, contos, e participe de promoções!

www.recantodachefa.com.br

 

 

Mulheres incríveis e revolucionárias.

Mulheres, Escritoras, Dia Internacional do livro infantil, Youtuber

02 de abril de 2019

Autora Camila Piva

 

Hoje é o dia internacional do livro infantil, e não poderíamos deixar a história da Camila Piva fora dessa, a escritora de livro infantil que encanta o coração de todas as gerações.

Desde criança Camila sempre se interessou pela escrita. Sempre ficou a frente de projetos relacionados a criação de histórias, como peças teatrais da escola e construção de histórias em quadrinhos. Ela sempre se divertiu com essas atividades. 


"Acredito que os livros são mágicos e ilimitados. Assim como nós mesmos. Temos a capacidade de construir nossa existência através das narrativas. Escrever para mim é um ato de existir, de investigar meus sentimentos, responder perguntas e de compartilhar coisas que acho importantes para as pessoas."​

Camila, busca inspiração em suas vivências, além de outras literaturas e também em audiovisual. Além de se aperfeiçoar através de cursos de narrativas, ela também estuda filosofia e psicanálise. 

"Estamos sempre rodeados de personagens rs."

 

A ideia do seu primeiro livro, o Viva Este Livro, era levar o autoconhecimento para crianças, jovens e adultos, é um livro interativo e permitido para todas as idades. Foi através dele que Camila descobriu o amor pela escrita. 

Seu segundo livro publicado no Brasil e também em Portugal, é o “Quero Ser Uma Youtuber”, esse livro foi escrito em parceria com a youtuber Júlia Silva, que Camila conheceu pela editora no Brasil, a Ciranda Cultural. Quando a conheceu na Bienal de 2016, no começo do boom dos livros de youtubers, teve a ideia de fazer uma ficção para crianças dentro dessa temática. Camila queria que além das crianças lerem os inúmeros diários de youtubers famosas, elas lessem livros de histórias. Seu desejo era chamar para o mundo dos livros os pequenos fãs e consumidores de vídeos do youtube. Em 2018 Camila, teve sua primeira participação na agenda oficial da Bienal de São Paulo, junto com a Ciranda Cultural e a CBL.

 

"Crianças me escrevem e me contam que o “Quero Ser Uma Youtuber” foi o primeiro livro fora da escola que elas leram, foi o primeiro livro de ficção que elas escolheram comprar. Não tem como não pirar de alegria com isso!."

 

Para esse ano, Camila terá o lançamento de mais um livro interativo, com foco nos sentimentos. Será o “Sinta Este Livro” pela Ciranda Cultural. Também finalizou um livro de contos para jovens e adultos – publicação independente, onde todos os contos têm em comum a busca pela felicidade e a paz interior através da compreensão das coisas que nos cercam, numa narrativa simbólica e filosófica. 

 

 

Livros

 

Quero Ser Uma Youtuber

 

Escrito em parceria com Julia Silva (Youtuber Mirim com mais de 2 milhões de seguidores no YouTube). O livro conta a história de Ludmila, mais conhecida como Mila, fã da Julia Silva que sonha em ser uma youtuber famosa. Nesta aventura ela vai descobrir que isso não é tão fácil quanto imagina. Mas com a ajuda da família e dos amigos, Mila segue em frente em busca da realização de seu sonho. Entre brinquedos, novelas, desafios e gnomos, as coisas nem sempre saem conforme o esperado. Será que ela vai conseguir realizar seu sonho de ficar famosa?

O livro foi lançado no Brasil pela Ciranda Cultural e em Portugal pela Porto Editora. 

Viva Este Livro

 

O Viva Este Livro, é um livro interativo, um livro para se viver! Onde está o protagonista dessa história, de autoconhecimento, é o próprio leitor. O livro proporciona uma aventura de aventura ao seu próprio país, através de diferentes formas de estimular a sua criatividade, ou seja, descobertas, tudo isso de forma muito libertadora e interativa. Em cada página, o leitor é convidado a fazer uma aula diferente e muito divertida, o que faz com que a sua vida, sentimentos e desejos.

O livro foi lançado no Brasil pela Ciranda Cultural.

"A Vivendo de Inventar é muito mais que uma escola de narrativas, é uma comunidade. Além das técnicas que aprendo com aulas do Vianco e webnários com a Margareth, encontrei muita gente querida para trocar experiências e somar nossas forças. Escritores e roteiristas nunca serão concorrentes uns dos outros, é isso que mais amo nessa profissão, ter uma plataforma e uma comunidade que nos aproxima é algo enriquecedor para todos envolvidos. Com a VDI ganhei musculatura para escrever mais e melhor, e, um coração enorme cheio de gente linda. Para quem ainda está de fora, recomendo que venha para dentro. É sério."

                                                                                                                                      Camila Piva

Mulheres incríveis e revolucionárias.

Mulheres, Escritoras, Dia Internacional da Mulher.

15 de março de 2019

Autora Natalia Melo

Para quem não acompanhou a semana passada, esse mês de março publicou algumas histórias de histórias em capa dura. Hoje falaremos da Natalia Melo que, mesclando seu talento nato com as técnicas da Capa Dura, com uma proeza de ser uma das finalistas do Prêmio Kindle de Literatura de 2019.


"Eu me cadastrei na HARDCOVER depois que já estive pronto e até aça lá na Amazon, mas como é possível realizar alguma coisa na obra, um qualquer momento, dentro do Kindle, eu cheguei uma ajuda algumas dicas  para o cliente o primeiro livro, um VDI foi uma cerejinha do bolo, rsrsrs. "


Nascida na região metropolitana do Rio de Janeiro, tem 32 anos e reside em São Gonçalo.

É formado em Letras com habilitação em Português e Inglês, pela UERJ, e atua como professora do Estado, também em São Gonçalo. Teve acesso à literatura clássica e às histórias em quadrinhos, desde criança, por estímulo dos pais, que também sempre gostaram de ler. Passou, então, a criar contos, por hobby, e guardava tudo na gaveta, sem mostrar pra ninguém. Chegava até a contar parcelas inteiros de filmes que nunca existiram, para como os colegas na escola. Por fim, a primeira vez que essa é a face, No final de 2017, decidiu que devia ser escritora que morasse dentro dela e começou a escrever "O Som do Fim do Túnel".

Hardcover, pois não há processo de escrita do livro no meu livro e já não é mais autoconfiante como a revolução da história, o desenvolvimento do protagonista, o enredo ... E O que é mais legal do que o meu sonho? carreiraçando com vocês. "


O Prêmio Kindle de Literatura é uma ação da Amazon.com.br, em parceria com a Editora Nova Fronteira, que virá a revelar alguns dos melhores romances inéditos autopublicados pelo Kindle Direct Publishing (KDP). As inscrições podem ser lidas em 15 de agosto e 15 de outubro e todas as obras podem ser realizadas através da lista Obras Inscritas.

 

https://www.amazon.com.br/b?ie=UTF8&node=17004394011
 

Débora Serrico 
 

Mulheres incríveis e revolucionárias.

Mulheres, Escritoras, Capa Dura, Dia Internacional da Mulher.

08 de março de 2019

Dia Internacional da Mulher e como criar personagens femininas que marcam.

 

 

No dia 8 de março é comemorado o Dia Internacional da Mulher. Os maiores esforços para fazer como mulheres e fazer como homenagens nas mulheres, mas é uma das datas comemorativas na produção e conquista das mulheres, da violência e da desigualdade.

Sobre a internacionalização do Dia Internacional da Mulher não há muitas propostas de luta de mulheres por todo o mundo. Mas o filme histórico que ficou marcado, foi o caso das operadoras de uma fábrica da Triangle Shirtwaist Company em Nova Iorque (vamos assistir, gente! Infelizmente só tem legenda em inglês nesse tocante documentário), nos Estados Unidos, que mesmo com os dados entraram em greve reivindicando melhores condições de trabalho. As jornadas de trabalho menores foram de 16 para 10 horas diárias.
 

Ainda que não exista consenso sobre o que aconteceu de fato, sabe-se que no dia 25 de março não houve um acidente na fábrica, nem todas as operárias escaparam. A maioria dos 600 filmes conseguiu sair da fábrica, mas 146, sendo 125 mulheres, morreram.
 

Ao mesmo tempo, esta informação é criada, não se finge apenas comemorar. Na maioria dos países, realizando conferências, debates e entrevistas. O desenvolvimento é para tentar diminuir e, quem sabe um dia terminar, com o preconceito e a desvalorização da mulher. Mesmo com todos os avanços, as mulheres continuam a sofrer, em muitos locais, com baixos salários, violência masculina, jornada excessiva de trabalho e esforços na carreira profissional. Muito foi conquistado, mas muito ainda há para ser modificado nesta história.

Só em 1977, quando a ONU declarou o 8 de março como o Dia Internacional da Mulher, para homenagear as lutas feministas por igualdade, justiça e respeito.

 


A história do Brasil está cheia de mulheres incríveis que marcaram sua época. São índias, brancas, negras, mulatas, médicas, bombeiras, engenheiras, motoristas, cineastas,  escritoras, mulheres cheias de garra que fizeram a diferença na paz e na guerra. 

A despeito de hoje em dia a mulher ter alcançado muitos direitos, a luta ainda continua,

A despeito de hoje em dia a mulher ter alcançado muitos direitos, a luta ainda continua, visto que ainda sofrem com o preconceito, a desvalorização e o desrespeito.

Nós da Vivendo de Inventar faremos publicações de mulheres guerreiras que lutam para seus direitos de ser quem querem ser, cada semana de março publicaremos a história de uma escritora da Hardcover, qual já ganhou ou já foi finalista de algum prêmio de literatura. Esse é nosso jeito de estimular o incentivo e encontrar novas escritoras (e escritores também), que entendem essa potência da natureza que é a mulher, esse bicho mais poderoso que os demais que caminha sobre a face da Terra e de quebra tem o cabelo lindo e sabe encher a nossa vida de mais positividade e entusiasmo!

 

 

Vamos lutar para que a diversidade seja respeita e representada! Conte conosco para saber como contar uma história que se conecta.


Vai começar a escrever para conquistar leitores, não esqueça:

  • Desligue seu celular
  • Pesquise sobre o assunto - e depois desligue seu celular! 😆
  • Entenda as regras de escrever bem
  • Seduza seus leitores
  • Transmita sua mensagem
  • Ame o que você está escrevendo
  • ESCREVA PARA AS MULHERES!
  • Escrever é divertido e motivacional, conte histórias de mulheres que venceram.


Quando estiver criando personagens femininas não caia no erro bobo de que sua personagem deve ter uma agenda própria e que essa meta não é conquistar o carinha mais lindo da escola e nem conseguir o amor da sua vida e um casamento de princesa. Sua mulher forte tem que querer muito mais e o seu par romântico, seja ele ou seja ela, deve aguentar o rojão de ser apaixonado por uma mulher extremamente dedicada a sua casa, a sua missão e que busca atingir alguma coisa que não dependente do dinheiro de seu marido e muito menos dos recursos oferecidos pelo seu pai. Ela deve viver a sua luta e abrir o seu caminho. É assim que você constrói uma mulher forte e uma mulher que servirá de exemplo e inspiração para outras mulheres. Escreva, publique e prospere!
 



Vamos lutar para que a diversidade seja respeita e representada!

 

FELIZ DIA DAS MULHERES!

 

Débora Serrico — uma garota Hardcover!
 

A crise na Venezuela e nós, escritores de ficção de entretenimento.

Mundo, Publicação,  Hardcover, A arte de escrever ficção

27 de fevereiro 2019

Uma crise na Venezuela e ficção científica, fantasia, terror e literatura de gênero.
 

O que autores de Ficção devem olhar sobre a Venezuela?


Em 26 de fevereiro 108 brasileiros (oficialmente) voltaram para o Brasil depois dos esforços do Itamaraty e de grupos da cúpula militar brasileira unidos em missão diplomática na sensível fronteira entre Brasil e Venezuela na cidade de Pacaraima (RO). Esse grupo de brasileiros que estava "aprisionado" com o fechamento da fronteira do país vizinho, formado por um misto de trabalhadores, alguns residentes, muitos turistas e também algumas mulheres que buscaram as ofertas de cirurgias estéticas com preço reduzido na Venezuela relatam, na maioria, uma fuga do inferno.

Cada um trouxe uma história dentro de si, uma narrativa sobre o que viveram durante os dias em que foram colhidos por uma compressão da crise venezuelana depois que Juan Guaidó se autoproclamou presidente interino do país que se aprofunda cada vez mais nos últimos anos numa crise política e econômica e que agora rompe “as fronteiras do que é política” e se mostra cada vez mais uma caso de calamidade pública, um terror impingido aos humanos que sobrevivem e clamam por ajuda humanitária (parte dela foi incendiada ao comando de Maduro). As pessoas na Venezuela estão morrendo de fome. O que há mais para contar sobre a Venezuela?


Maduro, no Palácio de Miraflores, expulsou jornalistas mexicanos e norte-americanos que expuseram uma filmagem de venezuelanos apanhando comida direto de um caminhão de lixo que passava pela rua. Uma das pessoas que comia os restos do lixo disse que ultimamente era preciso que fizessem isso todos os dias ou morreriam de fome.
Confrontado com o vídeo, Maduro, como bom ditador, levantou-se e interrompeu a entrevista e mandou sua guarda confiscar o equipamento da imprensa mexicana que gravava para um canal que transmitiria a entrevista com Maduro nos Estados Unidos (em tempo, que também se afunda em uma de suas maiores crises econômicas da história e que ao mesmo tempo em que Maduro finca o pé em seu palácio, Trump visita o ditador da Coreia do Norte no Vietnã).
Fome, inferno, refugiados fugindo da sua pátria para poder ter e dar o que comer a seus filhos. Gente, pessoas, histórias e o fundo do poço de onde todos nós falhamos como seres humanos onde ainda existe em nosso mundo esse aglomerado de palavras e vivências tristes (perdoem o eufemismo).


Bem, a Vivendo de Inventar é um blog voltado para escritores, para gente que quer viver de contar histórias e nada tem de política e não é nosso foco discutir política. É, a gente fala mais da cor do Hulk, de como enganar o leitor com nossas linhas engenhadas para capturar a atenção do leitor e curtimos saber antecipadamente o line-up da Netflix. Vivemos de histórias, respiramos narrativa e queremos viver disso e quando eu escrevo aqui para os meus queridos seguidores me dobro e persigo ensinar a qualquer um que quer se embrenhar nesse terreno difícil que é o de viver de escrever, que é o de ser escritor profissional de ficção. Minha especialidade como autor com 23 obras publicadas e com 16 best-sellers na carreira, onde meus enredos entregam ao leitor da ficção de gênero, da ficção especulativa,é ensinar para quem está chegando os macetes de manter o leitor mergulhado na sua criação de obras que contemplam a Fantasia, o Terror, a Ficção Científica, as Distopias, o Romance Romântico e com o objetivo claro e preciso de entreter o leitor, de mantê-lo num estado de ilusão e dou o caminho das pedras para que você engane o leitor direitinho e o retire da realidade.

Ensino técnicas que os executivos da Indústria do Entretenimento, dos compradores de conteúdo, dos editores de grandes casas editorias reconhecem e busco ensinar a você que quer viver de escrever a ganhar direitos autorais e não ter vergonha de ser um autor comercial e do entretenimento.

Então por que diabos estou aqui falando de Miraflores, de fome, do flagelo e da crise venezuelana num diacho de blog que se propõe a ensinar o escritor a fantasiar???
 

A literatura comercial, de entretenimento, fantástica, ilusionista e escapista.

(É, estes somos nós, com muito orgulho!)


Muitas vezes, nós, escritores dos gêneros classificados como “literatura comercial” somos apontados na rua porque queremos e precisamos, assumidamente, ganhar direitos autorais pelo que escrevemos e somos chamados de produtores de “escapismo” e de criadores de “literatura menor” ou “subliteratura” ou de autores “caça-níqueis”.
Nunca me esquivei do fato de que escrevo para viver disso. Primeiro que ser escritor e querer viver de direitos autorais não é vergonha, na verdade, me sinto até privilegiado demais em poder fazer o que eu gosto e, com minhas tramas e personagens, enredar o leitor e, sim, dar a ele um refúgio para escapar da aridez da vida real.

Não foram poucos os e-mails que recebi nesses quase 20 anos e-mails de leitores e leitoras, das mais diferentes idades, cidades e posições sociais, onde me agradeciam por abrir uma possibilidade de suas mentes se transportarem para outros mundos por algumas horas enquanto liam minhas histórias de vampiros e lobisomens, de feiticeiras ou de fantasmas. Eles simplesmente amavam minhas fantasias sombrias e se deixavam ser transportados para outra dimensão e elencavam uma série de camadas onde minha narrativa tinha tocado suas almas das formas mais profundas e tinham lhe servido de remédio em algum momento.


Um dos relatos mais impactantes que já recebi foi de uma leitora que acompanhou seu noivo no hospital, com um diagnóstico bastante sombrio e com, infelizmente, o tempo contado para estar aqui, conosco, e com o nosso tesouro mais valioso, nosso tempo de existência, escoando entre os dedos. O casal era leitor da minha obra. O médico aconselhou que aproveitassem aqueles dias fazendo o que trouxesse prazer ao rapaz. Ela perguntou ao noivo o que ele queria fazer durante essas semanas. Uau, ainda me arrepio lembrando dessa carta e da escolha daquele jovem doente do que faria com seu tempo. “Eu quero terminar de ler os livros do André Vianco”. Eu, que sou um semeador de palavras, não soube o que dizer e nem o que falar para aquela leitora,só lembro que estava com os olhos cheios d´água ao final da carta que ela me entregou numa noite de autógrafos e que eu coloquei no bolso e só li quando cheguei em casa (me arrependo muito disso porque queria demais ter dado um abraço longo naquela mulher).

Eu não conto essa história em minhas palestras, não conto sobre essa carta e sobre essa decisão tão impressionante desse leitor em meus vídeos, eu não “uso” isso como um troféu porque é uma das coisas mais poderosas que já ouvi na minha vida, sobre o que eu faço e sobre a força que nossa obra tem sobre quem as lê e as ama e acredito que aquela noiva que perdeu seu parceiro compartilhou comigo algo muito pessoal. Por que estou aqui falando disso então, expondo esse acontecimento? Porque os escritores de fantasia escapistas, de literatura comercial ilusionista, de literatura de entretenimento não devem ter vergonha dessas etiquetas babacas que penduravam na gente (uso no passado porque, felizmente, esse preconceito vem diminuindo cada vez mais, não pela mente daqueles que criaram esse fosso entre o que cada escritor escreve ou deve ou não escrever,mas porque a forma como os leitores se conectam e encontram o que querem ler e leem o que nós escrevemos vem deixando essa questão de alta literatura vs. baixa literatura cada vez mais desimportante, toda literatura, se faz o leitor sentir, mergulhar, se arrepiar, é uma forma legítima de escrever e se expressar) e devem escrever, escrever mais, se desafiar mais, ousar mais.
Mesmo que você  esteja só começando nessa arte de contar histórias, seus leitores já existem e estão procurando por mais histórias do gênero que você escreve, com a voz que você escreve, nesse exato momento.
 


Ser escritor, ser escritora de literatura comercial e ganhar dinheiro escrevendo não significa escrever futilidades. Muito ao contrário!


Outro ponto importante que todo autor comercial deve se atentar e aprender é que não é porque seu livro se classifica em “entretenimento” que ele precisa ser vazio. Não! Seu livro (sua história, seu filme, sua série) pode ser vivo e relevante, é uma escolha sua. O cineasta Guillermo del Toro é um especialista nessa arte de trazer para a Fantasia, Dark Fantasy, camadas de discussão relevantes, marmorizadas, na gênese do seu pensamento como narrador. Em "A forma da água", por exemplo, para mim, o diálogo chave de todo o filme é quando um dos funcionários (do galpão onde o "monstro encontrado no lodo da América Latina" que faz par romântico com a marginal faxineira, mulher, muda e que deveria ser sem voz - olha quantos pontos de discurso só nesse parêntese!) pergunta ao antagonista Richard Strickland "Qual é a cor desse carro? Adorei esse verde." (algo assim, não lembro de memória, mas a resposta é a chave de todo o filme!) que responde: "Não é verde, é azul petróleo." Opa! Peraí! Não era uma história de amor entre Elisa e o monstro até agora? Mas de repente o antagonista sequestra o filme para ele e se torna o hub de toda a narrativa. O homem branco com os dedos apodrecendo enquanto prospecta petróleo (se fosse venezuelano seria até irônico para esse pequeno artigo) tem um Cadillac, novinho, que devora gasolina. Por que a discussão do filme de Terror e Fantasia foi para esse caminho e é recheado de valor?  É, justamente, injetando valor em sua obra, fazer com que o leitor, ao percorrer a última página e enquanto fecha o seu livro já comece a sofrer de saudades por aquelas pessoas que habitaram suas páginas, pelas vidas que se transformaram durante a jornada, sobre os temas que você tocou, encostou enquanto entregava a eles uma história que parecia ingênua, mas que na verdade, os faz suspirar o os deixa pensando,os deixa com uma coceirinha no peito, remoendo o seu livro, desvendando ainda as partes de sombras que você deixou lá dentro, em seu romance, em parte de seus personagens com lacunas bem vindas, com imperfeições amáveis e no enredo e no tema que você elegeu para ressoar nas entrelinhas da sua “aventura”.

Para alguns leitores os mundos que você cria pode ser o único oásis que existe para ele recostar a cabeça e sobreviver a loucura que devora a realidade, para escapar por algumas horas da aridez do real e ter combustível e ser a razão para se levantar mais um dia.

Escreva Fantasia, escreva Terror, escreva Ficção Científica, escreva com raiva, escreva com amor. Escreva!

André Vianco

Não é verde. É azul petróleo

 

- Richard Strickland - A forma da água

Antologia Hardcover, Publicação, Oportunidades Literatura

Chamando todos os Hardcovers para assombrar o Sítio do Pica-Pau Amarelo.

07 de fevereiro 2019

  • Uma oportunidade sobrenatural para os membros da Hardcover!

 


Até o dia 20 de fevereiro todos os membros Hardcover poderão ter a chance de ter seus livros publicados por uma editora tradicional enviando para a Lura Editorial um conto onde a temática seja um mergulho ao mundo fantástico do autor Monteiro Lobato. Como agora em 2019 toda a obra do autor caí em domínio público, a Lura se juntou a Hardcover para lançar "O Lado Sombrio do Sítio", uma antologia que tem como ambição revisitar as criações de Lobato e mostrar o poder de assustar e de enredar que nossos mitos folclóricos têm e, além disso tudo, fortalecer a carreira de autores e autoras que estão querendo ter mais visibilidade para suas criações.

 

Se você membro da Hardcover não perca essa chance de estar dentro das páginas desse livro que será memorável.

Ainda não é membro Hardcover? Não se preocupe, ainda dá tempo de se inscrever e aprender a arte do storytelling com a gente!

Se você ainda não é membro Hardcover, não perca tempo, entre agora para a nossa exclusiva área de membros e tenha oportunidades como essa e muitas outras que a Hardcover está prospectando, minerando, buscando para os autores e autoras da nossa comunidade. Você vai se impressionar em como usando um conjunto de técnicas sólidas do Storytelling suas obras irão atrair muito mais leitores de uma forma muito mais magnética e vão ajudar a você ser um profissional da arte da escrita e da criação de conteúdo para a Indústria do Entretenimento. Nosso time de orientadores está pronto para ajudar você fazer sua carreira de narrador decolar de uma vez por todas.

Não somos "um cursinho de escrita", a Hardcover é muito, mas muito mais. Somos um time comprometido com a sua carreira de escritor. Não vamos te ensinar como se escreve um livro. Vamos te ensinar como viver da arte da escrita como um escritor profissional.


Nosso time de agentes de narratologia são especializados em te dar suporte para desenvolver seu talento, respeitando sua imaginação e inspiração e dando suporte com técnicas poderosas do Reino do Storytelling para que sua criação não se perca no meio de tantas outras.
Essa é a hora de escrever e publicar. Sabemos como os leitores se conectam com a história.  Por mais incrível que pareça, magnetizar sua audiência é um dos passos mais simples do processo de viver de escrever. Eles vão amar seus personagens e enredos. Vamos nos assegurar que você crave uma lança no coração de cada um de seus leitores, independente do gênero para o qual você escreva dentro do mundo da ficção. Mesmo que você esteja começando do zero, não se preocupe, estaremos aqui por você e por seus leitores (meus leitores? Eu ainda não tenho leitores! -É, você pode estar se perguntando e pensando sobre isso agora mesmo!) Seus leitores já existem e estão só esperando você escrever e publicar. Vamos te ajudar com isso. Clique aqui e saiba mais.

Para saber mais:

A Página Adorada, Publicação, Oportunidades Literatura, Hardcover Giuliana Domingues

"Luzes do Norte" foi o livro escolhido na seletiva A Página Adorada.

10 de janeiro 2019

Autora Hardcover Giuliana Domingues tem sua obra selecionada entre mais de 427 concorrentes.

Feminista e escritora Hardcover antes de qualquer coisa. Tem 26 anos e devora livros como quem bate uma macarronada, lendo qualquer gênero entre fantasia e bulas de remédio. Já quis ser equilibrista (e ainda faz mil coisas ao mesmo tempo), advogada (e está sempre disponível para um bom debate) e astronauta (e felizmente caiu na real sobre sua habilidade em exatas). Depois de estudar em Hogwarts, fez uma especialização em design gráfico e marketing, e hoje trabalha no Google para impedir a chegada da Skynet. Vive com seu marido num cantinho da Califórnia chamado Mountain View (sim, dá pra ver as montanhas) e passa pelo sofrimento diário de explicar que no Brasil se fala português, e não espanhol e nem brasileiro. Acredita, fielmente, que palavras são mágicas no mundo real - e, por isso, são suas armas de escolha.

"Luzes do Norte" é o primeiro romance de ficção publicado pela Hardcover depois dessa seletiva maravilhosa.

Vivo com meu marido num cantinho da Califórnia chamado Mountain View (sim! dá pra ver as montanhas!) e passo pelo sofrimento diário de explicar que no Brasil falamos português e não espanhol.

Agora, Hardcover, autora e a Lura Editorial estão empenhados em transformar "Luzes do Norte" num livro físico gostoso para ser aninhado em bibliotecas de e leitores do Brasil todo.

Estamos ansiosos para colher o resultado desse primeiro sonho que se materializa.

Catarse, Publicação, Hardcover Juliana Asbelial.

História de Sucesso na Hardcover, escritora Juliana Asbelial arrebenta no Catarse.

28 de Novembro de  2018

Juliana Asbelial, mais conhecida como J.C.Gray, é assinante Hardcover e escritora de fantasia urbana. Em agosto teve um conto publicado na antologia Daemonum Sigillum – As crônicas da Goécia, que esgotou na Bienal de São Paulo, além de ter sido uma das pré-selecionadas na Best Seller Startup 2018 na primeira fase, e também na Página Adorada.

 

A autora tem levado à sério as técnicas aprendidas, e isso tem se refletido com seu número crescente de leitores. Em Abril, começou a postar seu primeiro livro, Inimigos Mortais, no Wattpad onde já acumula quase 5,000 leituras e diversas premiações de concursos.
Para o gênero de fantasia urbana com vampiros e lobisomens, J.C. atropela o clichê, e apresenta uma nova experiencia de leitura que tem agradado os leitores.

 

Atendendo a pedidos de leitores, e depois de um longo período de planejamento e orçamentos, no dia 5 de novembro, lançou uma campanha de financiamento coletivo pelo Catarse. O que? Publicar Inimigos Mortais de forma independente.

A somatória da fantasia urbana mesclada a uma trama política, os humanos no meio da sobrenatural, e as recompensas em um sucesso inesperado para uma autora.

Em apenas duas semanas JC Gray atingiu um meta!

A minha meta para a primeira semana foi arrecada pelo menos 15%, mas não foi concluída em 26%. Eu simplesmente não vou acreditar!

Agora, continua com o processo de divulgação da campanha, alcançando as metas estendidas que trazem recompensas especiais para todos os apoiadores. Sendo que a partir de 200% arrecadados, promete uma meta surpresa ao miniconto de sua vilã, ganha um concurso cultural e que está disponível em sua página de perfil no Facebook, seu site, e não em Wattpad.

O financiamento coletivo veio para ficar e pode ser o melhor amigo do independente, junto com a Amazon. Mas pra dar certo, uma fase de planejamento do projeto é mais importante: quanto menor a meta, os maiores são as chances de sucesso na campanha. De resto, é só divulgar!

A campanha não Catarse continua no dia 4 de janeiro de 2019 às 23:59, oferecendo diversas opções e valores de recompensa, o artigo pode ser feito através do cartão de crédito em até 6x ou via boleto bancário.

Compartilhe esse post:

Feira Literária, Programação.

Autor Hardcover é convidado para participar de Feira Literária

27 de novembro de 2018

Rômulo Baron é escritor, tem 28 anos, morador de São Gonçalo - RJ. Formado em Administração de Empresas é o autor do livro “Dupla Face”, publicado na Amazon. Baron também foi um dos autores selecionados para a antologia “Vampiro: o livro colaborativo” da Editora Empíreo, "Antologia Romântica" da Vivendo de Inventar e é participante ativo da Hardcover, nosso Clã de Escritores criado pelo Best-Seller André Vianco, com o qual o autor realiza mentoria.

Rômulo terá um horário próprio no Ponto de Lançamentos, espaço dedicado para Meet & Greet e lançamentos.

Durante três dias, de 30 de novembro a 2 de dezembro, o Praia Clube São Francisco vai sediar a primeira edição da Feira Literária de Niterói. A FLINIT, que tem como objetivo unir leitores, autores e editoras de Niterói e da região, terá lançamentos, debates, sessões de autógrafos, oficinas para crianças, saraus de poesia e uma série de atividades, no maior evento literário já realizado no município. E o melhor: a entrada é gratuita, assim como todas as atrações da feira.

A FLINIT já nasceu grande: serão editoras, grupos literários e autores independentes. Cerca de 100 escritores participarão de sessões de autógrafos. E dezenas livros serão lançados durante o evento. A feira acontecerá no salão nobre do Praia Clube, um dos principais da cidade, num espaço climatizado de 500m².

No palco principal, haverá debates e atividades. Nas manhãs, “As instituições de literatura e a história de Niterói” e “O que faz um escritor?”, com mediação de Jordão Pablo de Pão, e “A importância do incentivo à leitura”, conduzido por José Maurício Costa. À tarde, o jornalista Luiz André Alzer vai comandar três debates reunindo autores consagrados como Joaquim Ferreira dos Santos, Paulo César de Araújo (autor da biografia do cantor Roberto Carlos), Mauro Ventura, Bruno Drummond e Sílvio Barsetti. À noite será a vez de João Luiz de Souza e Lucília Dowslley trazerem o “Corujão da Poesia” e “Um brinde à poesia”.

A FLINIT receberá colégios, universidades e cursos de Niterói. Também estarão presentes críticos literários, jornalistas especializados e blogueiros, que irão interagir com leitores e autores.

Segundo o escritor e editor Celso Possas Junior, organizador da FLINIT, a ideia da feira é unir leitores e autores da cidade, apresentar a produção literária de Niterói e da região metropolitana do Rio, e também estimular a leitura entre os jovens. “A FLINIT será um programa para toda a família, com livros de todos os gêneros, teatro infantil, debates e contação de histórias, além de muita poesia”, diz Celso.

Aos amigos da região, fica aqui este maravilhoso convite para prestigiar um dos nossos membro do Clã Hardcover!

ENTRE EM CONTATO COM O AUTOR:

  • E-mail: romulobaronstoryteller@gmail.com.
  • Facebook: https://www.facebook.com/romulobaronstoryteller/.
  • Instagram: https://www.instagram.com/romulobaron.

Lançamento, São Paulo.

Felipe Mendes lança seu livro Linha 4 Amarela, neste sábado, 25, na Avenida Paulista!

24 de Agosto de 2018

Uma das linhas de metrô mais movimentadas de São Paulo é invadida por um grupo terrorista denominado Sete. Eles fazem 7 exigências ao governo que deverão ser cumpridas em 7 horas. Uma bomba vai explodir a cada hora caso as imposições não sejam atendidas. A vida de milhares de pessoas está em risco. Quer saber como termina essa história? Leia o livro Linha 4 Amarela, do autor Felipe Mendes.

 
Escritor, músico e artista, Felipe Mendes conta como teve a ideia de desenvolver o livro: “Um dia andando pela Linha 4 Amarela de metrô achei o lugar macabro, quando fiquei sabendo que os trens da linha operam sem condutor fiquei ainda mais impactado, então tive a ideia de contar uma história partindo desse cenário, mas demorei cinco anos para colocar a ideia no papel”, revela.
 
Por meio de técnicas de escrita e atendimento personalizado que recebeu da Hardcover, Agência de Desenvolvimento Narrativo, Felipe deslanchou com o livro, se empenhou e conseguiu escrevê-lo em 41 dias. Para ele, as táticas ensinadas foram fundamentais para a organização e desenvolvimento da obra que, por fim foi transformada em trilogia.
 
“Devo tudo o que aprendi a Hardcover. Graças aos métodos e teorias passadas pela Margareth Brusarosco e pelo André Vianco pude colocar em prática minha escrita e finalizar o livro, além disso, toda a estrutura da Vivendo de Inventar me ajudaram a chegar até aqui. As aulas e os vídeos são sempre muito esclarecedores”, comenta.
 
O livro Linha 4 Amarela foi criado seguindo os conceitos de série. Além de dinamismo e fatos reveladores que prendem a atenção do o leitor, a obra mantém uma unidade argumentativa nas relações que traça ao decorrer dos capítulos.
 
 Uma obra cem por cento brasileira que merece a atenção não só dos passageiros dessa grande selva de pedra que é São Paulo, mas também de todos os fãs de séries policiais, galera geek e leitores vorazes do Brasil afora.
 
Participe do lançamento!

Livro Linha 4 Amarela, do autor Felipe Mendes .

  • Quando: Sábado dia 25/08/2018.
  • Horário: Das 15h30 às 19h30.
  • Local: Livraria Cultura da Avenida Paulista.

Compartilhe esse blog:

Vivendo de Inventar

Vivendo de Inventar E UMA Comunidade Feita para Escritores Profissionais Que Querem desenvolver SUAS Carreiras e ESTÁ Recheada de INFORMAÇÕES  Gratuitas e / ou EXCLUSIVAS that Farao Toda Diferença Para quem lev Contar Histórias uma Serio.


© Copyrights por Vivendo de Inventar . Todos os direitos são revistos.